Na Itália, quando as festividades de Natal estão para terminar, acaba o feriado, as decorações natalinas são retiradas e é hora de voltar à vida normal. Porém, ainda falta uma celebração muito apreciada pelas crianças, pois vem acompanhada de presentes. É a Epifania, que faz parte do calendário religioso e é muito difundida por toda Europa.

Derivado do grego antigo, o termo “epifania” significa “aparição, manifestação, presença divina” e diz respeito à chegada dos Reis Magos vindos do Oriente ao encontro de Jesus, após seguirem a estrela guia. Eles trazem presentes ao Menino Jesus: ouro, símbolo de realeza; incenso, representa a divindade, e mirra, o mais misterioso dos regalos, pois é um resina proveniente da África, que tem gosto amargo mas que pode curar feridas, talvez uma alusão à missão de Jesus na Terra.

Ao lado do significado religioso há também a tradição folclórica, bastante conhecida na Europa e representada por uma simpática velhinha, que visita as casas na noite de 5 para 6 de janeiro levando doces e presentes às crianças boazinhas e um pedaço de carvão para aquelas que não foram tão boas assim. Para receber seus presentes, as crianças penduram meias em janelas e lareiras e aguardam o amanhecer.

A origem dessa tradição pode ser pré-cristã. Alguns dizem que na época do Império Romano, os camponeses festejavam a deusa Diana na esperança de que ela fertilizasse o solo e abençoasse a germinação e as colheitas. Outros atribuem as celebrações aos deuses Jano e Strenia. Já os cristãos, relatam uma lenda onde Befana era uma velhinha a quem os Reis Magos pediram informações para chegarem a Belém e ela não os atendeu. Depois, se arrependeu por não tê-los acompanhado, preparou uma cesta de doces e saiu distribuindo às crianças que encontrava pelo caminho, na esperança de que uma delas fosse o Salvador.

É comum os moradores enfeitarem as portas e fachadas com bonecos representando Befana, “avisando-a” de que ali tem crianças que aguardam seus presentes.

Em Borgaccio di Spoleto (Perugia-Umbria), Befana é personificada e desfila à cavalo pelas ruas, distribuindo doces para as crianças.  Os presentes são doces diversos, balas, biscoitos, caramelos e até chocolates mas o tradicional é o “carbone”, uma espécie de caramelo aerado que imita um carvão.

As comemorações variam muito por toda Itália. Em Firenze, por exemplo, é tradicional a Cavalcata dei Re Magi, um cortejo à cavalo e com roupas de época que parte da Piazza Pitti, atravessa o centro histórico e chega até a piazza Duomo, onde os Reis Magos depositam os presentes no Presépio Vivo. A tradição teve início no século XV e se repetia a cada três anos. Agora é um evento anual e que atrai muitos turistas. O figurino e o cortejo são inspirados na obra de Benozzo Gozzoli, do século XV, que faz parte do acervo do Palazzo Medici.

Em Veneza, é na Epifania que as figuras dos Reis Magos desfilam pelo balcão da Torre dell´Orologio, na Piazza San Marco. Há também a Regata delle Befane, onde as senhoras mais antigas da sociedade se vestem com o traje típico da famosa bruxa e disputam uma corrida de barcos pelo Canal Grande, com direito a um grande número de expectadores.

Independente das festividades, sejam elas pagãs ou cristãs, o mais importante é a união das pessoas, seja em casa ou nas ruas, celebrando costumes, a alegria das crianças e as tantas guloseimas italianas.  Para mais curiosidades acerca da cultura italiana, acesse nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu